top of page

O 8M e a Justiça Climática

Atualizado: 9 de mar. de 2023

Nesta terça foi celebrado o Dia Internacional das Mulheres. Um importante ato político e que ocorre todo o mês de março, em uma importante agenda de luta pela equidade de direitos entre homens e mulheres e que tem grandes marcos simbólicos, dentre eles o dia 8 de março de 1917, em que milhares de mulheres russas saíram às ruas de Petrogrado, hoje conhecida como São Petesburgo, em manifestação pelo fim da guerra, do desemprego e por direitos para às mulheres.


É imprescindível que entendamos a data de hoje como um ato político que se estende no tempo e no território, e cuja pauta atravessa diversos temas, como a pauta socioeconômica, da segurança pública, da saúde, bem como da justiça socioambiental e climática.


A desigualdade entre os países e seu resultado nas desigualdades locais


Dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento ressaltam a disparidade nos níveis de desenvolvimento humano entre nações, demonstrando um vínculo direto com a pegada ecológica e demonstram o desafio de se alcançar a meta climática de 1,5 graus célsius e propiciar a reparação histórica que deve ser alcançada aos países mais pobres. Esta disparidade entre IDH e Pegada material é reproduzida dentro das nações e nas relações de gênero de cada país.





Os países com um grau superior de desenvolvimento humano tendem a exercer mais pressão, a uma maior escala, sobre o planeta (PNUD, 2020)



Para Maria Milagre de Pina Delgado, Ministra dos Direitos da Mulher de São Tomé e Príncipe, olhar para a conservação ambiental pela ótica das questões de gênero é fundamental. Seja na presença na comunidade acadêmica e em especial na vida rural, em que as mulheres tem pouca oportunidade de participar de forma adequada sobre temas que envolvem a conservação e biodiversidade. (PNUD, 2023)


A desigualdade na resiliência climática no Brasil


Assim como no mundo, no Brasil não é diferente. De acordo com o estudo “Quem precisa de justiça climática”, publicado pelo Observatório do Clima e pela Gênero e Clima , a disparidade de acesso aos direitos humanos e presença em espaços de tomadas de decisão tornam meninas e mulheres substancialmente mais vulneráveis a problemas de ordem social e ambiental. Estas se refletem em diferentes indicadores, como os dados de extrema pobreza e também ao saneamento básico. (OBSC, 2023)


Segundo o estudo, 14,3% das mulheres brasileiras declararam não receber água tratada em casa, em especial mulheres jovens, pobres e indígenas e em regiões secas do nordeste, em 86,7% das famílias a mulher é a responsável por buscar água, trazendo implicações diretas à sua saúde, segurança e acesso à educação e trabalho. (OBSC, 2023)


Um desafio ainda maior quando visto de forma interseccional. De acordo com o estudo gênero, raça e território são elementos determinantes na vulnerabilidade diante de situações de crises, como a pandemia de Covid-19 ou desastres como os ocorridos no litoral de são Paulo, bem como a territórios ameaçados pelas mudanças climáticas, como o semiárido.

É fundamental, neste sentido, que a agenda climática, como no caso de planos setoriais de resiliência ecológica por bioma, a exemplo dos PMMA, sejam elaborados a partir de uma perspectiva interseccional, que considerem as mulheres e, em especial, mulheres negras indígenas, periféricas, PCDs, LGBTQIA+ entre outras.


Neste histórico dia, que entendamos que a luta pela equidade de gênero é uma tarefa de toda a sociedade e, sendo assim, também de quem defende a pauta socioambiental.


Referências:


OBSERVATÓRIO DO CLIMA/GÊNERO E CLIMA 2023 – Relatório Quem precisa de justiça climática?


PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). 2020. Relatório de Desenvolvimento Humano 2020: A Próxima Fronteira: Desenvolvimento Humano e o Antropoceno. Nova Iorque.


PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) .2023. Porquê que o género é importante para a conservação da Biodiversidade? https://www.undp.org/pt/sao-tome-principe/news/porque-que-o-genero-e-importante-para-conservacao-da-biodiversidade



6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page